Notícias

Postado em 24 de Setembro de 2015 às 09h26

Simec se manifesta contra a mudança na destinação dos recursos do Sistema S

Institucional (8)

Entidade do setor eletrometalmecânico quer posição dos parlamentares

Uma posição radicalmente contra a intenção da proposta do governo federal de fazer mudanças na destinação da contribuição das empresas para os órgãos do chamado Sistema S foi manifestada pelo Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e do Material Elétrico de Chapecó (Simec). Nesse sentido, a entidade enviou ofício aos deputados federais e senadores de Santa Catarina.

A proposta integra as medidas do pacote fiscal criado pelo governo federal e afetam nove entidades que integram o Sistema S, que são o Senai, Sesi, Sesc, Senac, Senar, Sescoop, Sest, Senat e Sebrae. Pela intenção do governo, 30% dos recursos provenientes da contribuição compulsória das empresas ao Sistema S, prevista na Constituição Federal, seriam remanejados para a Previdência Social, além do aumento da contribuição previdenciária incidente sobre a folha em 0,9%, o que representaria R$ 8 bilhões.

No documento, o Simec alega que o uso desses recursos para fins como cobrir o rombo da Previdência Social, caso concretizado, irá configurar um enorme prejuízo para entidades como Senai e Sesi, “que vem prestando inestimáveis serviços de educação e de inserção social”. O ofício, assinado pelo presidente do sindicato, Carlos José Martinelli, argumenta que a medida proposta “se configura como uma manobra totalmente injustificável, que pode fazer o Brasil e a população beneficiada perder inúmeros serviços prestados pelo Sistema S, inclusive sem depender de recursos públicos”. Também indica que, sem o Sistema S fortalecido, perde-se muito na formação profissional, na saúde e na qualidade de vida.

Possíveis perdas no Senai e Sesi
A diminuição dos valores repassados às instituições pode causar o fechamento de milhares de vagas em cursos profissionais e de educação básica por ano. Além disso, unidades do Sesi e Senai poderão fechar as portas e haverá demissão de trabalhadores. Estimativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) indica que, se a proposta for aprovada, pode comprometer - nos programas de educação, saúde e segurança do trabalho e qualidade de vida -, o atendimento a 1,2 milhão de alunos do ensino profissional pelo Senai e 1,5 milhão de trabalhadores pelo Sesi, em todo o país. As duas instituições estimam, ainda, que terão de demitir cerca de 30 mil trabalhadores em suas unidades no Brasil.

EXTRA COMUNICA - Hugo Paulo Gandolfi de Oliveira-Jornalista/MTE4296RS - 24/09/15

Veja também

Simec cobra ações da Fiesc sobre novas medidas provisórias e federação reivindica à bancada federal13/02/15      O Simec, como representante das indústrias metalúrgicas, mecânicas e do material elétrico de Chapecó e mais 32 municípios, busca, constantemente, melhorar o desempenho das empresas do segmento que representa. Em virtude disso, realiza mensalmente reuniões com diretores associados, para discutir assuntos de interesse do setor. Entre os problemas......
Palestra no Simec orientará sobre eSocial 14/05/18 Para tratar de questões sobre o eSocial, o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e do Material Elétrico de Chapecó (Simec) realizará palestra no dia 28 deste mês. A promoção......

Voltar para Notícias